Cantora sertaneja revela luta contra a ansiedade na pandemia: “Chorava todos os dias”

Apesar da flexibilização e reabertura de diversas atividades no Brasil e no mundo, a pandemia do novo Coronavírus continua fazendo milhares de vítimas diárias em todo o planeta. No entanto, os impactos na saúde da população podem ser ainda maiores se levarmos em consideração a saúde mental. Com o direito e ir e vir sob privação, pessoas que estavam acostumadas com a volatilidade diária se viram em um momento introspectivo, como no caso dos cantores. Com agendas de shows e compromissos bastante extensas, os integrantes da classe relataram amplamente terem sofrido uma série de problemas nesse período. Para falar sobre cuidados com a saúde mental e prevenção ao suicídio, a cantora, compositora e escritora do livro “Depois de Sobreviver: Depressão na Adolescência”, Nanda Loren, conversou com a cantora Karen Alves sobre o tema. No papo, parte do projeto “Empatia Lives”, Karen relatou ter se sentido depressiva no período da pandemia.

Para a Karen, integrante da dupla sertaneja May e Karen, este momento foi muito difícil. “Eu nunca prestei atenção no psicológico. Eu nunca fui de ficar preocupada com isso, porque os problemas que eu tinha eram sempre pequenos. Em toda a minha vida, o que eu mais senti, foi agora quando começou a quarentena, porque a única coisa que eu sei fazer da vida – eu sou formada em direito, trabalhei só durante a faculdade [com a formação acadêmica] -, e desde muito tempo eu só canto, o que trabalho é cantar. E eu sou muito abençoada por trabalhar só com isso. E eu parei de trabalhar com isso, eu tive de parar. A gente estava com uma agenda de shows muito boa. A gente tinha acabado de lançar um DVD com música nova, a gente estava com um fluxo de shows muito bom, de ver gente o tempo todo, e foi bruscamente. Quando houve o primeiro caso de Covid no Brasil, acabaram os shows, a gente parou” relatou a cantora.

De acordo com a sertaneja, foi nesse momento que seu psicológico começou a ficar abalado e, apesar de não ter buscado um suporte profissional, a artista entendeu de que não estava bem. “Quando começou [a pandemia] eu não soube lidar, eu chorava todos os dias. Quando falava com alguém sobre Covid, eu chorava”.

Para Nanda, Karen relatou ainda que ficou presa em Goiânia quando estava se mudando de volta para São Paulo, estado onde reside ainda sua família. “Eu fui pra Goiânia pegar algumas coisas pra passar a quarentena aqui em São Paulo e eu fiquei presa lá, porque acabaram os vôos, acabou tudo. E eu chorava muito, foi horrível”, desabafou.

“Eu vivi em profunda tristeza. Eu não posso falar que eu tive depressão porque eu não tive nenhum especialista pra dizer ‘ó, você está com depressão’, não fui diagnosticada, não fui atrás de saber, mas eu vivi momentos de profunda tristeza, foi muito complicado.

Segundo Nanda, que luta contra a depressão desde jovem e começou a estudar paralelamente sobre o assunto a fim de entender os sentimentos pessoais para se ajudar, e hoje revela sua luta contra a doença, o pensamento sobre sua própria situação desencadeou uma série de sintomas. “Eu não queria fazer nada, eu não queria tocar nada, não queria ver filme. Infelizmente, são tantas pessoas, que meu livro foi baixado mais de 15 mil vezes, e eu não tinha ideia de que tantos adolescentes estavam passando pela mesma coisa. Quando eu lancei o livro, eu falei: ‘vou fazer pra ajudar outras pessoas’”, revelou a cantora.

Morando na Califórnia, nos EUA, desde 2017, Nanda, que está de mudança para a Flórida, revela ainda como lida com a ansiedade. “Quando eu tinha uns 10, 11 anos, eu sentia muita taquicardia, o que naquela época já era ansiedade, só que eu não fazia a mínima ideia, meus pais não faziam a mínima ideia. Ainda era um tabu. Ainda hoje tem um tabu em volta disso, mas a gente tem muito mais informação”, explica Nanda.

Segundo a artista, os sintomas de sua doença sempre estiveram presentes em sua vida. “Hoje em dia eu tenho um controle emocional muito melhor do que quando eu era mais nova”.

 

“Empatia Lives”

 

No último episódio do projeto “Empatia Lives”, iniciativa de Nanda Loren para impulsionar o debate sobre a importância da saúde mental, as artistas ainda falaram sobre a ideia de colaborarem em um projeto musical. Elas, que se conhecem há nove anos, desde 2011, prometem produzir conteúdos juntas em breve.

O projeto “Empatia Lives” aconteceu em todas as quintas-feiras do mês de setembro, para fortalecer o debate sobre a importância da saúde mental e do combate ao suicídio, iniciativa do Ministério da Saúde promovida em todo o país. No projeto, Nanda conversou com as ex-BBBs e influenciadoras digitais Rízia Cerqueira e Clara Aguilar, o ex-BBB e psicólogo clínico Victor Hugo, e a cantora Karen alves.